Maracanã

Maracanã

terça-feira, 31 de março de 2009

Isabel Pantoja - Rio de quema

SIMPLEMENTE ISABEL PANTOJA

Que Bonita Que Es Mi Niña - Isabel Pantoja

Isabel Pantoja e seu filho Paquirrin

Francisco Rivera...Paquirri


Paquirri



Monumento a "Paquirri"


Com os agradecimentos à escritora e grande aficionada mexicana María Isabel Galván Rocha por este belo texto sobre o saudoso matador de toiros Francisco Rivera "Paquirri", falecido em 26 de Setembro de 1984, depois de ter sido gravemente colhido na Praça de Toiros de Pozoblanco(Córdoba):

A Francisco Rivera

En la mañana de su muerte, un viento extraño sopló entre las hojas de los árboles, viene un recuerdo a la mente, son tantos los años pasados que el calendario los ha marcado, son 24 flores en San Fernando de la Sevilla, frente a Joselito Gallo, esta Francisco Rivera a quien decían el Paquirri.

Del Cádiz de los Zahara de los Atunes, es la patria chica que le vio nacer, de las andanzas de un torero joven, casi niño, iniciaba el difícil sendero de la torería. Un Camino, Paco le ofreció la alternativa cuando entró por la puerta grande a la vida, Zambullido se nombró el toro que inició en su aventura por el arte y el dominio de la tauromaquia.

La destreza fue su bien común, era poderoso en su andar y en su actuación, valiente en el ruedo y fuera de él, cruzó caminos en la banderilla y en la vida nunca fue esfuerzo alguno, la espada de su estoque.

De la feria de Abril triunfador de galas y en el arte de la estocada, brindó sus mejores faenas a un público que lo seguía, que le aplaudía, que brindaba el bravo ole al carisma del torero.

En andanzas por el mundo se le concedió un escapulario de oro, el recuerdo de un dorado paso por las plazas que lo vieron, lo sintieron, lo vivieron y le amaron.

Le recuerdo siendo sometido por un toro, era Avispado, era negro e insumiso, era en Pozoblanco, de una España que siempre es torera, fue un septiembre.

Entró en comunión con el pasado, son dos, pero es uno, uno yace y el otro lo revivo en mi mente porque es dolor que marchitó una vida, la cornamenta de una bestia que desgarró carne y el sustento de la sangre, que se alejó para no volver y exhaló la última bocanada de aire entre el martirio de la vida que se escapa y el sueño que se mece entre laureles de los grandes que nunca se olvidan.



María Isabel Galván Rocha - México

muerte de paquirri

muerte de Paquirri (el marido de isabel pantoja)

ISABEL PANTOJA era mi vida el (en concierto)

Isabel Pantoja - Marinero de Luces

fuego

veneno

Tengo miedo

ISABEL PANTOJA...DONDE EL CORAZON ME LLEVE...

ISABEL PANTOJA...Ojo Por Ojo



Isabel Pantoja, maravilhosa intérprete andaluza...
Canta com a alma, tem na voz a modulação das dores de amor...
Em sua vida pessoal, comoveu toda a Espanha, por seu amor vivido com o Toureiro Paquirri, morto em combate na arena, abatido pelo touro, no auge da carreira e do sucesso.
Isabel Pantoja nasceu a 2 de Agosto de 1956 no bairro sevilhano de Triana, na Andaluzia. Filha de Juan Pantoja letrista de fandangos e irmã do cantor Agustín Pantoja, Isabel começou a carreira musical apenas com seis anos de idade.

Com 17 anos de idade vai para Madrid e conhece o seu grande mestre, o Maestro Solano, que com o poeta Rafael de León compõem os seus primeiros trabalhos discográficos.
Isabel Pantoja não tarda a formar a sua própria companhia e cultiva com grande êxito a Copla, canção ligeira nascida em Espanha, que estava em decadência e que ela consegue ressuscitar.

Em 1983, sai o seu primeiro álbum pop: “Cambiar por ti”, mas é em 1985 que consegue alcançar o seu maior êxito com o disco “Mirinero de Luces”, que a converte na primeira figura da canção espanhola.
Discografia (álbuns e singles):

1971 - "Tablao flamenco"
1974 - "Fue por tu voz"
1975 - "Que dile y dile"
1976 - "Niña Isabela"
1979 - "22 Abriles tengo"
1981 - "A la limón!"
1981 - "Amante, amante"
1982 - "¡Viva Triana!"
1983 - "Cambiar por ti"
1985 - "Marinero de luces"
1987 - "Tú serás mi Navidad"
1988 - "Desde Andalucía"
1989 - "Se me enamora el alma"
1990 - "La canción española (BSO Yo soy ésa)"
1992 - "Corazón herido"
1993 - "De nadie"
1996 - "Amor eterno"
1998 - "Veneno"
1999 - "A tu vera"
2002 - "Donde el corazón me lleve"
2003 - "Soy como soy: Grandes éxitos"
2003 - "Mi Navidad flamenca"
2004 - "Buena suerte"
2005 - "By Pumpin' Dolls"
2005 - "Sinfonía de la Copla"
2005 - "Mi canción de Navidad"
2006 - "10 boleros y una canción de amor"
2006 - "Un Trocito de Locura"

Isabel Pantoja - Recordándote

Isabel Pantoja - Desde que vivo con otro

Isabel Pantoja - Buenos dias tristeza

Isabel Pantoja - Procuro olvidarte

Isabel Pantoja y Juan Gabriel - Hasta que te conocí

Nada

domingo, 29 de março de 2009

Carmen...de Carlos Saura, Gades, Pepa Flores, Paco de Lucia

Marisol cantando Lisboa antiga

Pepa Flores e Antonio Gades - Los dias del pasado...



Casaram-se em Cuba, nos anos 70, tiveram 3 filhas.
Ele morreu, em 2004, depois de lutar contra longa enfermidade, estavam divorciados e eram amigos.
Ela vive enclausurada, na Espanha, longe das luzes dos palcos que tanto a fizeram brilhar desde menina, por ter crescido com o personagem inesquecível , a Marisol, menina cantante e bailarina, que rendeu filmes e apresentações por todo o mundo.
Juntos, participaram de um filme como protagonistas, Los dias pasados...

Homenage a Antonio Gades

Dile que vuelva: Pepa Flores

Pepa Flores, ex Marisol el grande amor de Antoni Gades, vive ensimismada





Ella sigue siendo comunista, como su ex marido muerto, el bailarín Antonio Gades, padre de sus tres hijas. Pero ensimismada...sin hacer parte del noticiário...
La niña que encantó España y el mundo, cuando cantava y bailava, la mujer que tuve un grande amor por Gades, ahora vive fuera de la mídia...




Pepa Flores, ex Marisol cumplió 60 años en 2008. Y cumple también unos cuantos, más de diez, emperrada en el ensimismamiento, en el yo soy yo y nada más, en un no continuo y global, sin distinciones y sin treguas. Dice no y es que no. ¿Cine? No. ¿Discos? No. ¿13 millones por cuatro fotos en una revista del corazón con su novio? Ni hablar. ¿Un papel en Secretos del corazón? Es una pena, pero no... ¿El estreno de la última película de su hija? Tampoco. ¿Entrevistas? Mucho menos. ¿Aunque sea una muy pequeña en una revista de Málaga también muy pequeña que al fin y al cabo...? Ni pequeña ni grande. "La mejor decisión que he tomado nunca... Yo ya no estoy en eso...".

¿Y en qué está entonces? "No he cambiado mucho. Sigo siendo comunista. Pero comunista, comunista. De Fidel Castro. Creo en los logros de la revolución, aunque hace años que no voy a Cuba. Ahora es un país triste porque está acogotado". ¿Y la visita del Papa? Le parece bien. Bien, por decir algo. Vamos, que ni bien ni mal. Le da igual. "Me ha producido curiosidad. Nada más. ¿Quién soy yo para opinar de política internacional? Hablo de lo que conozco, de las procesiones en Málaga, que me encantan, no porque sea religiosa, sino porque lo he mamado desde pequeña y entonces me gusta verlas y me gusta cantar. A veces me entra el gusanillo. Un gusano muy pequeño. Pero se me pasa, cojo la guitarra, en casa con amigos y ya estoy curada de tentaciones otra vez".

Desierto. Hace un par de años viajó al Sahara con su hija María. "Eso sí me impresiona, y no el Papa. Cuando veo tanta necesidad me reafirmo en la idea de que las ONG están bien, pero no dejan de recordarme a la caridad de siempre, disfrazada y modernizada. Son los países los que tienen que resolver estas cuestiones y no lavarse las manos y dejárnoslo a nosotros". Le impresionó también y aunque no lo cuente ella que en el campamento de refugiados le tararearan canciones de Marisol y preguntarle por las películas de Marisol, y en fin que Marisol, muerta y enterrada, resucitara de repente ahí en mitad del desierto, como resucita en cuanto se descuida Pepa Flores y por mucho que ella procure no descuidarse. "No me importa. Del pasado sólo recuerdo las cosas buenas. Con el tiempo aprendes a hacerlo. Con los años, no se renuncia a nada. Se prescinde de lo que no te interesa. Supongo que eso es mejorar. Buscar lo esencial". Lo esencial, muerta Marisol, olvidado Gades, desterrado el espectáculo, aborrecidos los periodistas, es Pepa Flores, refugiada en Málaga y custodiada por sus amigos. Por los nuevos. ¿Así que es verdad que se ha dado a la metafísica y lee a Descartes y a Saint Germain?. "Eso ya son cuestiones íntimas...".

Y en cuanto llegamos a cuestiones íntimas, aunque la cuestión sea Descartes, hasta aquí hemos llegado. Pepa Flores ya no quiere hablar más "me da pena pero comprenda que después de tantos años ya es una cuestión de principios, demasiado he dicho ya...", y entonces se le ocurre, por buscar una solución, que ella se calla, pero que envía a su mejor amigo para que cuente por ella y así se salvaguardan los principios. Su amigo se llama Rafa Benítez. Rafa cuenta que de vez en cuando le enseña un guión: "Mira, qué bonito, qué pena con lo bien que me iría...". Que ha aprendido a reconciliarse con Marisol, aunque sólo sea, porque le permitió conocer a Fidel Castro y a Carmen Amaya. Que vive bien de los ahorros bien administrados pero nada más. Que se marcha los fines de semana en moto con su novio Máximo a un pueblo al lado de Nerja y que a lo mejor hasta termina viviendo allí. Que la película de su hija la vio 15 días después del estreno, en Málaga. Por si en el estreno de Madrid los fotógrafos, contagiados del síndrome Garbo (el alejamiento incondicional en pleno éxito) se preocupaban más de ella que de María."Rafa ¿tú crees que la niña está bien? ¿de verdad? es que yo, con ella, no puedo opinar, a mí me parece que sí, pero claro, soy su madre...". Con María pasa en Madrid una semana antes de los rodajes y otra semana después. "Antes, porque sabe que me pongo muy nerviosa y me cuida, me ayuda a repasar los textos... Después, porque termino agotada y me prepara comiditas. Mi madre no me da consejos, aparte de 'niña, ten cuidadito' o 'niña, no muevas tanto las cejas...'".




"No he cambiado mucho, sigo siendo comunista, comunista de Fidel Castro"

Los que la han conocido en Málaga y en los últimos diez años dicen que está muy bien. Los que la conocieron antes dicen que estuvo muy mal. El pintor Antonio Montiel ha visto el antes y el después. Antonio se fugó de casa a los 15, se sentó a la puerta de la casa que Pepa Flores y Antonio Gades tenían entonces en Altea y anunció de aquí no me muevo hasta que la conozca. Le costó horas y lágrimas que Pepa apareciera. "No sólo la he pintado, fue mi musa desde siempre...". Tanto, que también ha sido el único que la ha convencido para que posara, el año pasado, con peineta y mantilla. Le ha oído contar cómo le vendaban el pecho de pequeña para que en las películas no se notara que crecía. "O cómo tuvo su primera regla en mitad de un acto benéfico y una dama de la caridad le colocó un abrigo de visón por encima para taparla. En su casa no hay nada, nada que le recuerde a Marisol". Ni su vestido de novia.

Goyanes. Marisol apareció en 1960 por obra y gracia del productor Manuel Goyanes. Goyanes la había visto en una actuación de los Coros y danzas de Málaga. Tenía diez años. La contrató en exclusiva, la llevó a su casa (sólo a ella, su madre vivía en una pensión) y rodó Un rayo de luz. Un rayo de luz se llamó también la carreta para pasear turistas que su padre se compró en Málaga con el primer dinero que ganó la niña. Y desde entonces, nadie fue tan conocida, imitada, fotografiada, perseguida, admirada, traída y llevada como Marisol. Cromos de Marisol, recortables de Marisol con sus vestiditos, peinados de Marisol. Tómbola, Marisol rumbo a Río, con dos Marisoles en vez de una, gemelas a lo Pili y Mili, La nueva cenicienta, Cabriola... El periodista Manuel Román que entonces trabajaba en la revista Semana se acuerda de su boda con Carlos Goyanes, el hijo de su productor. "No hubo ningún acontecimiento ni parecido. Massiel, con tanta gente, se desmayó, no paraba de llegar y llegar gente...". Por entonces, a Marisol la entrevistaban en una revista y titulaban: "Marisol estudia para ama de casa". Luego aclaraban: "Todos los días va a una academia donde le enseñan cocina, corte, decoración, economía del hogar, religión y humanidades". Y la entrevistada: "Bueno, al final nos comenos los guisos que hace la profesora, que Dios guarde ...".

"A ella nunca le gustó ser actriz ni cantante ni nada. Ella quería casarse y tener hijos y le costó mucho llegar a una cosa tan simple. A lo que llegaban todas las chicas que la envidiaban". Le costó separarse de Goyanes, tres años después. Más de un intento de suicidio. Hasta la tentación de convertirse en monja con orden elegida, las hermanas oblatas. Pepa Flores vio morir a su mejor amiga y se marchó a Barcelona. Se había enamorado de Joan Manuel Serrat pero Serrat no se había enamorado de ella. O sí, pero por poco tiempo. Y entonces apareció Antonio Gades. "Gades --dice el cantaor José Menese- le dio la vuelta como a un calcetín. Ella venía de los Goyanes, imagínese, a mí de ellos sólo se me ocurre que había que degollarlos. A mediados de los sesenta coincidíamos en los mítines del Partido Comunista. La maltrataron, la ultrajaron, y a ella le costó mucho quitarse todo ese veneno que llevaba dentro. A lo mejor, no se lo ha quitado todavía". Con Gades tuvo tres hijas y se casó en Cuba. El padrino, Fidel Castro. La madrina, Alicia Alonso. Todavía Goyanes en el primer embarazo andaba por ahí diciendo que no, que Pepa no podía tener hijos y que se había colocado una almohada para promocionarse no se sabía muy bien en qué. Hasta que Pepa Flores se lo tropezó un día, le plantó cara y le soltó. "Anda, cabrón, ven aquí y tócame la tripa si te atreves".

A las giras por Cuba con la compañía de Gades les acompañaba el cantaor José Mercé. "Debió de ser por el 73... Nos reíamos mucho, por las mañanas cuando subíamos al autobús mi mujer le cantaba `Buenos días Marisol...' , como en las películas y ella se ponía negra, se enfadaba de verdad, `que no me digáis ya más Marisol'. Venía con nosotros Orillo del Puerto, un guitarrista muy bueno y muy vicioso del juego. Gades le escondía todas las chaquetas para que no lo dejaran entrar en el casino, pero Orillo, nada, agarrraba una de pana del vestuario de Bodas de Sangre y listo. Empeñó todo el oro que tenía y Pepa, una bronca tremenda, `¿No te da vergüenza?, con 14 hijos...'. Luego, sin que se enterara nadie le desempeñó las joyas. Me acuerdo mucho de eso y de lo bien que canta".

MARISOL canta una nana en BODAS DE SANGRE 1981

Julio Iglesias e Amalia Rodrigues

Amalia canta Coimbra

Bibi Ferreira canta Amália Rodrigues: "Coimbra"

El nuevo Che...

el filme sobre Che gana prêmio Goya, el actor Benicio del Toro

Che

A hora do Planeta e o filme sobre o "Che"...

Exatamente na hora marcada para que as luzes do Planeta se apagassem em corrente pela economia de energia na Terra, eu estava numa sala moderna de cinema, no Rio de Janeiro, assistindo ao filme sobre Che Guevara. Um épico, com detalhes bem produzidos sobre a guerrilha em Cuba, nos anos 50 e a ascensão do líder argentino em terras latino-americanas, sua luta junto ao povo cubano e sua trajetória de comandante com destino marcado para defender e morrer por ideais anti imperialistas, a produçao cinematográfica me pareceu bem fiel aos fatos ocorridos em sua realidade que já nos foi contada e recontada, por muitos, ao longo de décadas.

As luzes estiveram bem acesas nas cenas que assisti e às quais me prendi como uma observadora tensa, testemunhando uma guerra de oprimidos contra opressores respaldados por força de combate à custa do sangue dos seus compatriotas e o sonho da liberdade do seu povo. O lendário Che aparece como um símbolo de uma época em que se contestou o capitalismo e se pregou o comunismo como solução para os problemas sociais na busca de melhores condições de vida, com posições igualitárias em que se pudesse oferecer as mesmas oportunidades a todos, sem distinção, vencendo a utopia e atingindo a realidade.

O filme termina quando os rebeldes vencem e derrubam o governo de Fulgêncio Batista e partem para Havana, onde iniciarão, verdadeiramente, a revolução a que se propuseram.

Dali em diante, a história demonstra muitas mudanças na ilha e no pensamento da latino-américa.

Mas, a hora do filme é a hora do Che, da formação da sua liderança, da sua obstinação combatente e do seu discurso representativo na assembléia da ONU, quando apresenta os postulados do pensamento de esquerda que norteiam os objetivos da revolução cubana.

Um Che obstinado e tenaz, disciplinado e coerente nos é apresentado no filme, acrescido de sua filosofia de vida e seu lema revolucionário: PÁTRIA OU MORTE!!

Questionei-me sobre o Planeta e a morte lenta das suas riquezas naturais, sobre os povos e a morte das suas tradições e culturas em detrimento de economias globalizadas e comércio de mercado internacional direcionando suas produções, questionei-me sobre o poder das idéias e o poder do capital, sobre a ilusão da humanidade solidária e a desumanidade refestelada em castelos feudais de concreto e luzes, enquanto os vassalos operários espalhados no mundo, contentam-se com migalhas que sobram do consumo dos poderosos.

A hora do "Che" parecia estar longe do mundo moderno e real , me chegou como lenda através do cinema, ao mesmo tempo em que me vi testemunha de uma época ultrapassada pela máquina do capital selvagem, o mesmo sistema que se apropriou dos fatos históricos para produzir industrialmente, à moda de hollywood, uma película capaz de lotar salas de exibição.

Saí do cinema com a sensação de que assistira a um bom filme, fiel aos fatos narrados, pleno de inserções excitantes, cenas de guerrilha muito bem filmadas, cuidadosos e estudados diálogos escolhidos para perpetuar a lenda do homem que venceu suas dores pessoais em prol de uma América que o sensibilizou e mobilizou até a morte.

O comandante Che talvez seja apresentado às novas gerações como um idealista revolucionário que teve coragem para lutar e sensibilidade humana para protestar, carisma para comandar e talento para enfrentar o gigante norte-americano, em nome do povo cubano, entretanto, até que ponto um contigente de milhões de jovens da geração pós computação, será capaz de assimilar no seu cerne o que foi a inflamada luta do jovem Che, cujo destino foi morrer na guerrilha na Bolívia, como se ainda estivesse recomeçando a mesma marcha que o marcara tanto em Sierra Maestra, ano antes?

A hora do Planeta é a da crise do Capital, como também o é, da crise de valores e da revolução de costumes, em torno de um mundo desordenamente perplexo que vê desmoronar indústrias, despencar moedas, crescer desemprego, e assustadoramente, constata que o efeito dominó da economia globalizada atinge praticamente todos os povos e países que estão sob a mira do capital gerenciado em blocos, de forma gananciosa e espúrea.

Um Che sonhador e guerreiro venceu a revolução do povo cubano. Um mundo que protesta contra a crise mundial não encontra ainda estratégias suficientemente eficazes para combater os efeitos da humilhação por que passam as sociedades nos quatro cantos do planeta para que uma revolução de comportamentos e diretrizes , tanto sociais como econômicas, mas sobretudo de políticas a serem adotadas, os faça sair do processo de afogamento em que se encontram, proporcionando levantar bandeiras e pegar em armas inteligentes.

Enfim , para vencer inimigos reincidentes, verdadeiros polvos com tentáculos assombrosos que lhes exploram almas, corpos, mentes e lhes roubam a consciência, enquanto lhes vendem a ilusão da felicidade consumista e do prazer de ter a mais do que realmente precisariam para viver, quem sabe se o espírito do Che não devesse ressurgir em cada esquina de cada cidade do mundo, onde ainda campeiam a desesperança e a injustiça, estas vestidas com uniformes camuflados de guerra, marchando sobre nossas cabeças, em forma de dívidas e perda de diginidade.

Rio de Janeiro , 28/03/09

Aparecida Torneros

Benicio del Toro, entrevista sobre "Che"

Ne me quitte pas

Resposta

Maysa - Por Causa de Você

Eu sei que vou te amar...

Hino ao amor...

Lisboa à Noite - Milú

pensativa



tiro o sorriso do meio da cara
penso no mundo, sério e alucinante
dentro de mim, um torvelinho
fora, a tempestade ruge, a vida não pára...

tiro do caminho cada pedra rara
pois as pedras comuns, eu as pulo, ultrapasso,
sob meus pés, um lodo denso que vou sobrevoando...

tiro da passagem do tempo cada lição revigorante
em cada abraço recebido, um ninho, faço,
semeio ovos de saudade e eternas lembranças,
que vão germinar algum dia, não sei quando,
no meio do sorriso de algum rosto futurista...

tiro tantas conclusões e dou voltas ao redor de mim,
porque ainda sou muito menina para entender o amor e o fim.
Cida Torneros
Rio, 29 de março de 2009

A hora do Planeta e o filme sobre o "Che"...


Exatamente na hora marcada para que as luzes do Planeta se apagassem em corrente pela economia de energia na Terra, eu estava numa sala moderna de cinema, no Rio de Janeiro, assistindo ao filme sobre Che Guevara. Um épico, com detalhes bem produzidos sobre a guerrilha em Cuba, nos anos 50 e a ascensão do líder argentino em terras latino-americanas, sua luta junto ao povo cubano e sua trajetória de comandante com destino marcado para defender e morrer por ideais anti imperialistas, a produçao cinematográfica me pareceu bem fiel aos fatos ocorridos em sua realidade que já nos foi contada e recontada, por muitos, ao longo de décaadas.

As luzes estiveram bem acesas nas cenas que assisti e às quais me prendi como uma observadora tensa, testemunhando uma guerra de oprimidos contra opressores respaldados por força de combate à custa do sangue dos seus compatriotas e o sonho da liberdade do seu povo. O lendário Che aparece como um símbolo de uma época em que se contestou o capitalismo e se pregou o comunismo como solução para os problemas sociais na busca de melhores condições de vida, com posições igualitárias em que se pudesse oferecer as mesmas oportunidades a todos, sem distinção, vencendo a utopia e atingindo a realidade.

O filme termina quando os rebeldes vencem e derrubam o governo de Fulgêncio Batista e partem para Havana, onde iniciarão, verdadeiramente, a revolução a que se propuseram.

Dali em diante, a história demonstra muitas mudanças na ilha e no pensamento da latino-américa.

Mas, a hora do filme é a hora do Che, da formação da sua liderança, da sua obstinação combatente e do seu discurso representativo na assembléia da ONU, quando apresenta os postulados do pensamento de esquerda que norteiam os objetivos da revolução cubana.

Um Che obstinado e tenaz, disciplinado e coerente nos é apresentado no filme, acrescido de sua filosofia de vida e seu lema revolucionário: PÁTRIA OU MORTE!!

Questionei-me sobre o Planeta e a morte lenta das suas riquezas naturais, sobre os povos e a morte das suas tradições e culturas em detrimento de economias globalizadas e comércio de mercado internacional direcionando suas produções, questionei-me sobre o poder das idéias e o poder do capital, sobre a ilusão da humanidade solidária e a desumanidade refestelada em castelos feudais de concreto e luzes, enquanto os vassalos operários espalhados no mundo, contentam-se com migalhas que sobram do consumo dos poderosos.

A hora do "Che" parecia estar longe do mundo moderno e real , me chegou como lenda através do cinema, ao mesmo tempo em que me vi testemunha de uma época ultrapassada pela máquina do capital selvagem, o mesmo sistema que se apropriou dos fatos históricos para produzir industrialmente, à moda de hollywood, uma película capaz de lotar salas de exibição.

Saí do cinema com a sensação de que assistira a um bom filme, fiel aos fatos narrados, pleno de inserções excitantes, cenas de guerrilha muito bem filmadas, cuidadosos e estudados diálogos escolhidos para perpetuar a lenda do homem que venceu suas dores pessoais em prol de uma América que o sensibilizou e mobilizou até a morte.

O comandante Che talvez seja apresentado às novas gerações como um idealista revolucionário que teve coragem para lutar e sensibilidade humana para protestar, carisma para comandar e talento para enfrentar o gigante norte-americano, em nome do povo cubano, entretanto, até que ponto um contigente de milhões de jovens da geração pós computação, será capaz de assimilar no seu cerne o que foi a inflamada luta do jovem Che, cujo destino foi morrer na guerrilha na Bolívia, como se ainda estivesse recomeçando a mesma marcha que o marcara tanto em Sierra Maestra, ano antes?

A hora do Planeta é a da crise do Capital, como também o é, da crise de valores e da revolução de costumes, em torno de um mundo desordenamente perplexo que vê desmoronar indústrias, despencar moedas, crescer desemprego, e assustadoramente, constata que o efeito dominó da economia globalizada atinge praticamente todos os povos e países que estão sob a mira do capital gerenciado em blocos, de forma gananciosa e espúrea.

Um Che sonhador e guerreiro venceu a revolução do povo cubano. Um mundo que protesta contra a crise mundial não encontra ainda estratégias suficientemente eficazes para combater os efeitos da humilhação por que passam as sociedades nos quatro cantos do planeta para que uma revolução de comportamentos e diretrizes , tanto sociais como econômicas, mas sobretudo de políticas a serem adotadas, os faça sair do processo de afogamento em que se encontram, proporcionando levantar bandeiras e pegar em armas inteligentes.

Enfim , para vencer inimigos reincidentes, verdadeiros polvos com tentáculos assombrosos que lhes exploram almas, corpos, mentes e lhes roubam a consciência, enquanto lhes vendem a ilusão da felicidade consumista e do prazer de ter a mais do que realmente precisariam para viver, quem sabe se o espírito do Che não devesse ressurgir em cada esquina de cada cidade do mundo, onde ainda campeiam a desesperança e a injustiça, estas vestidas com uniformes camuflados de guerra, marchando sobre nossas cabeças, em forma de dívidas e perda de diginidade.
Aparecida Torneros
Rio de Janeiro , 28/03/09

sábado, 28 de março de 2009

Marisol (Pepa Flores) en su 60 cumpleaños - CORAZÓN, CORAZÓN

Cancion para la Boda...

Demis Roussos-Forever and ever

Zorba, o grego...

Demis Roussos - Come Walz With Me

José Carreras canta...

Josep Carreras

Josep Carreras Coll (Barcelona, 5 de dezembro de 1946) é um cantor lírico catalão. Mais conhecido pela versão castelhana de seu nome, José, Carreras é um dos célebres "três tenores", juntamente com Plácido Domingo e Luciano Pavarotti.


[editar] Biografia
José Carreras nasceu em Barcelona, no dia 5 de Dezembro de 1946. Iniciou seus estudos de música com Magda Prunera.

Cantou para o público pela primeira vez em uma rádio, uma ária do Rigoletto. Com apenas 11 anos, estreou no Gran Teatro Del Liceo de Barcelona, o papel de El Trujiman, o menino narrador da obra de Manoel de Falla - "O Retabulo de Maese Pedro". Em 1970 neste mesmo teatro, aconteceu a sua estreia como profissional, ao lado de Montserrat Caballé, na ópera Norma de Bellini.

Em 1971 ganhou o "Concurso de Vozes Verdianas", em Parma na Itália, que lhe abriu caminho para a ascensão vertiginosa que logo o colocou entre os melhores tenores do mundo. Sua bela voz o leva aos mais importantes festivais e teatros de óperas do mundo, como Scala de Milão, Metropolitan Opera House, Gran Teatro Del Liceo; San Francisco Ópera, Staatsoper de Viena, Royal Ópera House, Covent Garden, Ópera de Munich, Salzburg, Aix en Provence, Edinburgh, Arena de Verona e outros. Sempre trabalhou com os melhores regentes entre os quais, Herbert Von Karajan, Claudio Abbado, Ricardo Mutti, James Levine, Carlo Maria Giulini, Leonard Bernstein, Jesus López-Cobos, Zubin Mehta. Ao lado de suas actividades operísticas, vem apresentando recitais no Carnegie Hall, Avery Fischer Hall, Royal Festival Hall, Barbican, Royal Albert Hall, Salle Pleyel, Musikverein, Kozenzerthaus de Viena, Philarmonie de Berlin, NHK Hall de Tokyo, Grosses Festspielhaus de Salzburg, Palau de la Música de Barcelona, Teatro Real de Madrid, Academia Santa Cecília de Roma.

Em julho de 1987, o diagnóstico de leucemia faz com que cancele todos os seus compromissos. Sua luta contra a doença foi sofrida e persistente. Após um ano de muitos tratamentos, autotransplante de medula óssea e muita vontade de voltar a viver como antes, Carreras vence a leucemia.

Em 21 de julho de 1988 volta a cantar em Barcelona. Foi um concerto beneficente que fez parte das comemorações do Centenário de la Exposición Universal de Barcelona assistido por milhares de pessoas.

Hoje Carreras além de se apresentar nos melhores teatros de ópera da Europa e fazer recitais por todo o mundo, trabalha muito pela Fundação fazendo apresentações beneficentes, visitando hospitais que tratam de doentes de leucemia, levando além do apoio científico, muita esperança aos doentes.

Jose Carreras en En noches como ésta - Part 1/3

Jose Carreras habla con Placido Domingo "En noches como ésta "-

José Carreras and Teresa Salgueiro-Haja o que Houver

Haja o que houver, espero por ti

Alfama, Madredeus

Fado Primavera, Camané

Saudade, Camané

Camané

>

Camané

Quinta-feira, 27 de Novembro de 2008
Quem é o fadista português Camané?

Carlos Manuel Moutinho Paiva dos Santos, conhecido por Camané é um fadista português nascido em Oeiras em 1967.
Em 1979 ganhou a Grande Noite do Fado, o que lhe possibilitou a gravação de um álbum produzido por António Chainho. Após uma interrupção de 5 anos regressou às lides do fado, actuando em diversas casas de fado e participando em produções de Filipe La Féria - "Grande Noite"; "Maldita Cocaína"; "Cabaret" - onde se evidencia.
A partir de 2004 esteve envolvido no projecto "Humanos" ao lado de Manuela Azevedo e David Fonseca bem como dos músicos Nuno Rafael, João Cardoso e Hélder Gonçalves, do qual resultaram dois álbuns (Humanos e Humanos ao Vivo) e um DVD, relativo aos concertos nos coliseus de Lisboa e Porto em Junho de 2005, onde Camané revelou a sua versatilidade de interpretação.
Participou nas músicas "Sopram Ventos Adversos" e "Circo de Feras" dos Xutos & Pontapés e em "Fotos do Fogo" de Sérgio Godinho [1].

fado ...Camané...lindoooooooooooooooooo


http://br.youtube.com/watch?v=lI2LMBVG-74&feature=related

sexta-feira, 27 de março de 2009

Corsário

Foi assim.. Zizi Possi

Closer , perto demais

Perto demais

se encostar demais
vai dar choque,
chocadeira
choradeira
de mulheres iguais

se encostar por um segundo
talvez ela lhe dê o mundo
talvez lhe roube a paz
talvez lhe devolva o senso...

se encostar por um minuto
quem pode segurar seu rosto tenso
diante de um sentimento imenso
que o atropela como um tornado?

se encostar por uma hora
e ela não o deixar ir embora,
pense no futuro que é agora,
descubra a magia tão sonora
de um amor maior, alucinado...

se encostar por dias, semanas, meses,
ao longo de anos e décadas, às vezes,
nem vai conseguir discernir prazeres
vão virar uma bola de neve com haveres
e haverá de se intrigar como ultrpassou
tanto tempo ao lado dela, e nem notou...

melhor não chegar tão perto, ser distante,
não se envolver, e vale a pena se morder
de ódio quando a perder para um amante,
pois se ela se foi ou vai ou volta ou fica
há que buscar nela a cada vez o brilhante
do seu olhar apaixonado, a cada instante,
e se não reluzirem suas íris, seja tolerante,
reconheça que é assim mesmo e lhe diga
o quanto foi feliz estando junto, tão pertinho,
talvez tenha sido demasiado, reconheça
mas isso não lhe conte, dê adeus e emudeça...
Aparecida Torneros

Retornar das cinzas...e da suavidade do seu sussurro

Retornar das cinzas...
por Maria Aparecida Torneros da Silva Publicada em 10/08/2005


Retornar das cinzas...

dormiu com o sonho de alguma felicidade
onde as verdades?

acordou sem a realidade, buscou-a...
tanto cheiro de pólvora e enxofre, o nariz torceu...
ali estava ela, ao seu lado, a mulher de recados...
quem sabe trazia a boa nova que tanto precisava?
quem seria aquela a lhe reinjetar oxigênio agora?

acariciou seu dorso, as protuberâncias, a pele quente...
ainda ardia dentro dele o fogo da memória,
apesar do sentimento consumado, tendo vivido o fim,
aquele peito a subir e a descer na sua frente...
onde as razões?

era, de fato, o retornar das cinzas, era sim...
a boa bruxa, cansada embora, mostrava a vitória,
inesperadamente, o incentivo e a esperança,
corpo refeito, ele ressuscitaria em outra história...
onde os dissabores?

quem vivera tal injusta morte, merecia nascer,
devia ter o direito de respirar e lutar, em liberdade,
ali mesmo, naquele chão da pátria, beijou a terra,
abraçou a companheira...chamada luta,
se ungiu de céu e ventos...
onde os perdões?

voltou à vida... e chorou como um menino,
aconchegado no calor de grande saudade,
sabendo-se reconduzido ao seu lugar, seu ninho...
onde os amores?

ajeitou seu tempo adaptando seus momentos,
a cada espaço de sofrer, juntou a luz de um carinho,
surpreendeu-se com a alegria branda, a recompensa...

morreu com a impiedade da injustiça e da maldade,
despertou-lhe o sol... salvou-lhe a garra...

onde as ilusões do paraíso novo?

bem aqui, dentro de si mesmo, com profundidade..
doravante, homem e infante, soldado do amor...
cavaleiro andante, samurai da guerra,
guerreiro da paixão, paladino do prazer,
defensor da justa causa, honrado tribuno,
saberia o quanto era preciso morrer e renascer,
infinitas vezes, bem junto da sua força interior...

sempre soubera que ela ali estava,
era mesmo ela, ele a reconhecia, severa e terna,
capaz de ressurgir no corpo e na palavra,
viu-se renascido nela: sua alma eterna...

cida torneros
--------------------------------------------------------------------------------------
Da suavidade do seu sussurro...
>
>Sibilando que nem vento morno,
>como se fora um aconchego,
>um xamego brando, um sentido solto,
>como aquele ronronar de gato manhoso em almofada fofa,
>sua voz mansa resvalou como pluma no meu ouvido calmo...
>
>Sintonizando a leveza de um encanto, um algodão,
>um toque sentido e lento na alma enebriada,
>eis que seu sussurro me adentrou em ondas
>de carinho, de sentimento, de amor e doação...
>
>Solfejando a música do espírito domado pela paz
>veio até mim sua palavra doce, e me tornou sua refém...
>Uma penumbra ocultou de mim a causa...
>Aí, entreguei-me ao efeito e soletrei baixinho: amém...
Aparecida Torneros

Cinema Paradiso, cenal final

Cinema Paradiso

MY HEART BELONGS TO DADDY

Lena Horne - My Heart Belongs to Daddy

Helena Lindgren My Heart Belongs to Daddy

Cher

Celine Dion

Julie Andrews

Marilyn Monroe canta...My heart belongs to my Dad!!!

Perhaps Love - Tradução

Patrimônio afetivo...passagem para viver o amor...

O amor se aprende a amar, amando e sendo amado. Sua passagem nos é dada por pessoas que nos amam antes mesmo de nascermos, quando ainda somos projeto inconsciente nos seus pensamentos. Um dia, somos concebidos e o amor se concretiza em forma humana, através de um ser dependente de alimento e carinho, que vai crescer e aprender a viver. Mas é pelo amor que nos oferecem os pais, familiares, amigos, e tantas pessoas que cruzam nossos caminhos, que vamos incorporando o sentido mais profundo da humanidade que se doa e se oferece para buscar sermos felizes e fazermos felizes a alguém.
O amor se enriquece com suas dádivas e provas constantes do que é necessário sentir em termos de emoção e de razão, pela alegria de estarmos junto dos entes amados, e, mesmo distantes deles fisicamente, sua presença permanece em nossos corações, lembranças, nos faz honrar suas memórias, homenagear seus exemplos, suportar suas saudades, seguir em frente em seu louvor.
O amor se intensifica quando se torna livre e menos possessivo, nos deixando ir pelo próprio tempo e trilhando novas veredas que acabam por ser individuais e intransferíveis.
Quem ama sabe o quanto é sólido e intenso observar os passos de um ser amado, cuja estrada deva ser distanciada em determinado momento da vida, para que amadureça e cresça na auto-estima e na busca pessoal.
Assim é o amor dos pais por seus filhos, tão imenso que lhes lega um patrimônio afetivo, mas não se furta a lhes dar passagem para viverem suas próprias vidas, oferecendo-lhes a prontidão do ombro amigo, do colo renovado, do olhar benevolente, do conselho oportuno e da torcida feliz pelo seu futuro.
O mesmo amor que nos dão é o que vamos oferecer, renovado e crescente, num processo que interage eternamente em ecos de reverberação contínua.
Viver o amor é viver do amor e para o amor. Amar semelhantes, família, o planeta, a vida, os animais, as plantas, o sol, a lua, há muitos modos de amar instintivamente, e, se o amor se reimplanta pelo sêmen, perpetua as espécies, prolonga a vida, reitera seu poder de reinvenção de sentimentos e motivos para ser reaprendido, por cada ser que abre os olhos diante de um espetáculo misterioso, detentor de um segredo e uma só saída: o amor. Ele é a resposta, a única resposta, para qualquer dúvida ou guerra. Só amor é capaz de ultrapassar os limites da razão e dar sentido a tudo, desde o mundo microscópico até a imensidão infinita do universo...
Cida Torneros

eu e papai, no meu niver, em 2006, setembro

Marilyn Monroe canta...My heart belongs to my Dad!!!

Nancy Sinatra: isto é para meu pai!

Nat King Cole e sua filha Nathalie

Aznavour e sua filha Katia

Hoje homenageio meu pai: Ulysses da Silva ( unforgetable!)



hoje é seu aniversário, completaria 87 anos...

quinta-feira, 26 de março de 2009

Ulysses, meu amado pai!


Revisitando "Seu" Ulysses, afinal, é dia dele!


Bem, não é nada fácil, convenhamos, porque a morte, uma separação em vida, um desaparecimento estranho, um mistério insondável, uma tentativa de explicar o destino de nós todos, é , ao mesmo tempo, o instante de valorizar o patrimônio afetivo que a vida perpetua.
Assim é com cada herói ou heroína, na história do mundo e na memória pessoal de cada um. Um pai-herói, já disseram por aí, faz a diferença, na auto-estima de qualquer criança, que mesmo ao vira adulto, não esquecerá jamais os melhores momentos de aconchego ou ensinamento.
A lição que fica é mesmo a do amor incondicional, da dedicação em forma de energia positiva, que todo Pai emite para quem saiu do seu sêmen, quem se projetou do seu gen, quem se fez criatura e lhe imita incosncientemente gestos, ou lhe herdou cacoetes, gostos, teimosias, aptidões, sensibilidades, e até perplexidades...
Não fujo à regra. Sou a filha que revisita hoje o pai "ausente" que está mais presente do que eu podia esperar, ainda bem...Ele continua a me surpreender, fazer rir e emocionar, alternando com seu jeito carinhoso, não só o meu humor, mas a minha postura diante da vida, minha necessidade de me reprogramar, diariamente, para que eu seja feliz, aliás, foi o que sempre ouvi-o repetir, todo o tempo...
Fazia trocadilhos infames, me levava às gargalhadas, contava e recontava enredos de filmes e de livros que lera ou assistira há mais de 50 anos, e, quando eu estava ensimesmada, com meus problemas corriqueiros, ou de trabalho, ou de correria da loucura estressante que é o dia a dia, ele me rondava, como um beija-flor, me espreitava como um observante atencioso até que eu explodia em riso...
Aí, ele se mostrava realmente satisfeito...me fizera rir...
Apesar de, ultimamente, a saudade dele me levar, constantemente ao choro fácil, eu assumo que é difícil reencontrar aquele sorriso delicioso que ele me provocava, mas, em momentos mais calmos, consigo já, esboçar a alegria que vem dele, que ele me ensinou a ter, diante das pequenas coisas, dos infames trocadilhos, das canções galhofeiras, e das emoções que a música clássica lhe proporcionou.
Noutro dia, arrumando suas fitas cassetes, encontrei uma, que ele, provavelmente gravou pouco antes de partir, e , vi que o título da fita é Cidinha, como me chamava.
Curiosa, pus no aparelho de som, e um misto de sentidos me tomou dos pés à cabeça. E ouvi... tenho ouvido de vez em quando...
Ele selecionou assim:
lado A: Quiera mi quiera, Lili-ato I, Manon Lescau, atos I, II e IV, Tosca, Mme Butterfly, Soror Angelica
lado B: Soror Angelica ( final), Turandot ( Puccini), Bolero ( Ravel).
Certamente que "Seu"Ulysses não teve chance de me entregar, misturou nas suas fitas todas, mas ele sabia que um dia eu ia achar esse presente, um gesto de grande carinho seu, pois ele sabia que eu ia adorar ter uma seleção assim, para escutar durante minhas horas de escrita, como agora estou fazendo, compartilhando com tantos amigos e amigas, e , ainda por cima, revisitando o meu bom amigo, meu velho Pai, porque afinal, hoje é dia dele, e faz um ano, eu escrevi o texto aí embaixo, com a alegria de tê-lo tão próximo, como agora, nada mudou...
Cidinha

Sunday, August 13, 2006
“Seu” Ulysses, meu amado Pai! (artigo do livro A Mulher Necessária)

Ontem, fomos juntos à sapataria. Dei-lhe o braço, ele sentia-se trôpego, mas, no auge dos seus 84, ainda se gaba de ir ao centro da cidade sozinho, andar pelas ruas à procura dos melhores cds de música clássica que ele coleciona. Os lojistas já o conhecem pelas bandas da Av. Passos, onde ele compra o Mozart eterno, que costuma escutar, absorto, com os fones de ouvido que lhe ajudam muito depois da perda gradativa da audição. Se a gente chega no seu quarto de trabalho (chamemos assim) lá está ele. Pode ser hora do lazer, e aí vê-se o velho Ulysses, viajando no encantamento da música, ou assistindo a alguma partida de futebol na TV, ou quem sabe, rindo-se muito das palhaçadas de algum filme do Gordo e o Magro, seus preferidos.

Entretanto, como bem procurei definir, ali é lugar mesmo é de trabalho, e lá estão suas “trocentas” pastas históricas, os fichários bem cuidados, os escritos sobre contabilidades várias, as caixas de documentos arrumados impecavelmente e re-arrumados, temporariamente. Apega-se aos detalhes, muda a cor da caneta, “azul” para assuntos corriqueiros,“vermelho”, para os importantes, e lápis preto, com a borracha sempre à mão, quando o tema é provisório, o popular rascunho.

De repente, no meio das suas tarefas, me telefona: -Cidinha, onde está o comprovante do pagamento da conta de abril de 2004, da luz, da casa da rua Maxwell, a que está em obras?

- Pai, mas isso faz mais de 2 anos! E ele me responde que tem tudo arquivado, mas que está faltando exatamente essa, e não se intimida, me mandando procurar para que ele complete suas pastas de documentos.

Pode ser que esteja no quintal da casa de vila onde mora com minha mãe, com quem é casado há mais de 58 anos. Aí, ouve-se o barulho de martelos, serrotes, lixas deslizando na madeira, e, ao se chegar perto, o que se vê é um senhor magro, curvado sobre o trabalho de carpintaria, trajando, geralmente, avental e luvas, atento ao que faz, dedicado a criar uma nova mesinha, ou um banco esmerado, que só estará pronto depois de envernizado e testado seu nível, com a precisão de um artesão exigente.

Ontem, na sapataria, comprei seus presentes. Uma sandália moderna, rasteira, fácil de fechar, com velcron que possibilita o ajuste, uma vez que seus pés, agora tem inchado um pouco. Mas, também, ele gostou e ganhou de um lindo par de sapatos pretos, de amarrar, social, em estilo tradicional, que o lembra, seguramente, dos tempos em que se vestia de terno e gravata e ia para o escritório labutar, com elegância.

Levei-o de volta à casa, tentei segurar o pacote com as duas caixas de sapatos, e ele brincou: - É meu o presente, não é? Se você me deu mesmo, deixa que eu levo.

E levou, sim, todo feliz, pelas ruas do bairro, mão apoiando meu braço, falante sobre a vida, traçando planos para o resto do dia, perguntando-me se estou cuidando da minha saúde, cobrando-me ser feliz, como sempre.

Hoje, mais tarde, vou abraçá-lo, junto com meu irmão, filho e sobrinhos.

A família vai se reunir em torno do “Seu” Ulysses, que, com certeza, aproveitará para reclamar conosco sobre as taxas absurdas cobradas pelos bancos. Tema recorrente que o faz figura conhecida na mesa do gerente da sua conta bancária, quando confere cada centavo do seu extrato e descobre que a taxa de 3 ou 5 reais, foi cobrada indevidamente por duas vezes e reclama estorno imediato do que ele classifica de “roubalheira”.

Mas, no fim do ano, lá vai ele, cheio de caixinhas, geralmente de perfumes, presentear as meninas do banco, que o atendem com presteza e reverência por todo o ano.

Quanto a nós, seus filhos e netos, como não reverenciar uma criatura assim, tão especial, que até reclamando da vida, é capaz de mostrar um horizonte de felicidade, no sorriso que nos cobra.

É comum, que ele me ligue para o celular, eu , em plena atividade da loucura diária, e me diga assim: Minha boneca, liguei só para ouvir você rir, agora, já posso desligar!

Aparecida Torneros
Jornalista- RJ

( correspondência entre eu e minha prima Carminha)
Minha amada prima Carminha
aqui estou como uma menina chorona...ao ler o que vc me escreveu agora...

obrigada, de coração... sabe o quanto todos nos amamos tanto, em família, e teu pai, irmão do meu, é também uma pessoa alegre, de espírito forte, outro exemplo a ser seguido.

a saudade é imensa, mas o amor é maior... almocei com a minha mãe, depois me recolhi em casa, busquei conforto nas boas lembranças, nas músicas e nas orações.

não tive coragem de ir ao cemitério, e ao relembrar a história dos pastéis, elevei meu pensamento em gratidão por momentos tao maravilhosos que todos passamos e ainda vamos passar.

o casamento da sua filha Lu, em Salvador, foi um desses momentos felizes em que nos reunimos para celebrar a vida.

recebi as fotos hj que ela mandou e vibrei, mais uma vez com a felicidade dela que é como se fosse uma filha pra mim, né?

da mesma forma que o João Luis, o Fabinho, o Alexandre,a Simone e a doçura da Cristiane, e agora, adotei a Fabiane e o Saulo, mas já estou mesmo é sonhando com a carinha da Luiza que tá chegando, para nossa alegria, como prolongamento da família.

dê um beijo na tia Fernanda e na tia Celeste, e pra vc, meu carinho imenso, tá?

sua prima Cidinha



Um exemplo a ser seguido.
Date: Sun, 12 Aug 2007 21:33:19 -0300


Oi Minha prima! Acabei de ler sua mensagem. Impossível não me emocionar!! Imagino a sua saudade!!! Imagino a falta que você sente do seu pai, meu tio.Doces lembranças... lembranças da infancia tão presente! Parece que foi ontem! Meu Deus!! Passou muito rápido!! Tenho em minhas lembranças um tio alegre, brincalhão.E os pastéis?Ah, os pastéis... lembra? Sempre gostou de pastél , não é mesmo? Lembro-me bem que enquanto os pastéis eram fritos ele sempre dava um jeitinho de tirar um ou outro e saia rindo.Guardo sempre o semblante do tio Ulysses risonho, amigo, amável... doces lembranças da infancia .Doces lembranças que ficarão eternamente guardadas e lembradas todas as vezes que quizer citar como exemplo uma pessoa de caráter, honesta, de bem com a vida, um exemplo a ser seguido.Sim prima eu imagino a imensa saudade que você sente mas também imagino a alegria, o orgulho de ter tido como pai e amigo um ser humano tão especial , abençoado por Deus como o nosso querido e inesquecível ULYSSES. Deus a abençoe prima. Beijos da prima que te ama. Carminha

manhã de espetáculo e paz...


Manhã ... de espetáculo e paz...

Prepara-se o dia...
nalgum lugar a luz se posiciona
a partir do ângulo que se contorciona
sobre a Terra, de rotação em rotação,
a natureza festeja uma manhã a mais...
Os olhos animais se abrem...
em cada olhar de esperança, a vida se renova...
nos campos, nas plantações, nas estradas
há um reavivar apressado da produção,
ligam-se as máquinas agrícolas, todos sabem
que não é possível parar quando o dia recomeça...
O homem deixa o lar, nas cidades, vai em busca do pão,
a luta que se repete, em tempos de paz ou de guerra,
faz de cada manhã o tempo de reconstruir a vida...
Plantar o trigo, colher a fruta, tirar o leite do seio bendito,
acalmar a tensão pela descoberta da morte, a lida,
sim, ao trabalhar repetidamente, gira como o girassol,
nos prados amarelos, brilhantes, buscando a luminosidade...
A mulher faz do lar o seu reinado, tudo lhe condiciona,
há em cada filho que nasce uma certa religiosidade...
Nada é mais grave do que a manhã no céu da alma
quando o bem vem dizer no ouvido atento que o amor acalma...

...porque , a cada novo nascer do dia, alguém canta um verso ao sol,
algum louco grita bom-dia, sobre a ponte do rio que corre, a voz ao vento,
alguma dançarina ensaia os últimos passos da madrugada apaixonada,
que deixou saudades, enquanto alguma criança põe-se a correr,
para que todos se lembrem que o destino abençoa a mágica manhã,
esta que aproxima os povos, ainda que na fantasia, abraça o momento,
eterniza a emoção de ver o fogo do vulcão, a força do tufão, a tempestade,
que se amansou, o astro-rei, aí vem ele, nascendo por trás do monte...

... é possível vislumbrar seus raios alaranjados,
desde a janela de casa ou do avião,
é incrível observar sua densidade mutante e sua abrangência tão volúvel...

... é quando a manhã vem trazer a passageiro sentimento,
de um sol que ama por amar, sem fixar-se num ponto,
passando adiante, com sua luz caminhante...

... é por isso que o amor, como o sol, dorme e acorda, triunfante,
para que, nas madrugadas, se compreenda a brevidade do dia e da vida,
se desperte o espírito do tempo, na manhã que traz um espetáculo a mais...

... é então, nesse instante sol nascente, que cada ser vivente, amante,
se perdoa por ser tão inquieto, e se redime, por ter tanto desejo de paz...

C.Torneros
19 de agosto de 2006

Segurança ambiental, todos somos responsáveis


Segurança ambiental, já se pode chamar assim...
“todos somos responsáveis, ou por ignorância, ou omissão”
Aparecida Torneros

Nos últimos anos, envolvi-me, por caminhos profissionais, com a realidade que é a consciência ambiental, ou melhor, a falta dela, que campeia, ainda, infelizmente, por informações desencontradas, ou pela cultura viciada em termos de limitação geográfica, que separa estados e municípios, oficialmente, ainda longe de incorporar a verdade das regiões hidrográficas.

Sim, a lei federal número 9.433, que estabelece a Política Nacional de Recursos Hídricos, de 1997, é um dos melhores instrumentos, se for cumprido, para coibir erros que comprometam a segurança ambiental dos cidadãos, e ainda, é a base legal idealizada para prevenir acidentes do tipo que ocorreu, por duas vezes, no Rio Pomba, afetando os Estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro.

A lei da Natureza, que é soberana, faz com que os corpos dágua corram em direção aos oceanos, por caminhos serpenteados, atravessando espaços ou os criando em curso avassalador, que há que ser respeitado, uma vez que o homem habita suas margens, constrói ali suas cidades.

Todo cidadão precisa ser alertado dos perigos de não respeitar as faixas marginais de proteção que são previstas no Código Florestal justamente para que no período de chuvas e cheias dos rios, não se repita o quadro triste das inundações e populações desabrigadas.

Entretanto, um componente de ordem superior, com a implantação das indústrias de mineração, hidrelétricas de grande porte, fábricas desativadas que legam resíduos ameaçadores, usinas nucleares, e tantos outros exemplos que a modernidade propicia, constantemente, ameaça a vida do homem comum, com seu passivo ambiental, imenso e irreversível, provocando a impotência aparente da sociedade civil que se depara com a pequenez humana diante da natureza aviltada.

Cabe aos gestores e legisladores tomarem para si a responsabilidade de alertar as populações sobre os riscos quando os loteamentos crescem irregularmente nas cidades e periferias. É questão de sensibilidade ou seria de cumprimento do seu papel de defensores da vida humana com qualidade? Não basta que estas populações sejam vistas como potenciais eleitores mas, sim, como seres crédulos nos homens que se posicionam no comando de ações e desenvolvimento de leis.

Só uma consciência ambiental sólida fará com que todos respeitem seus limites de atuação , sejam empresas, poder público e sociedade civil, para que as comunidades dos estados que ocupam as mesmas bacias hidrográficas revejam suas relações e, através dos comitês de bacia e planos de bacia, previstos na lei, possam agir, em caráter permanente de prevenção e cuidado.

Para que deixem de ser repetidos e corriqueiros fatos lastimáveis como os do rio Pomba, como o do rio dos Sinos , no Rio Grande do Sul, como a herança maldita da Ingá Mercantil , em Itaguaí, no Estado do Rio, como tantos outros casos semelhantes, permitindo que esses fantasmas possam ser gerenciados com o critério técnico- científico devido, muito menos do que com os interesses político- econômicos muitas vezes insensatos.

Muito se tem avançado nesta proposta, mas ainda há muito a fazer no
Brasil. É necessário difundir mais a lei e seus desdobramentos, sensibilizando todos na busca de um consenso para a segurança ambiental, já se pode chamar assim, uma vez que um desastre ambiental ou ecológico pode ser evitado, e todos somos responsáveis ou por ignorância, ou omissão, ou por opção de prioridades mal definidas.

Não podemos continuar insensíveis ao escolhemos cuidar ou dos nossos próprios municípios, ou estados, ou "umbigos" , sem pensar na participação imprescindível de todos na luta pelo precioso bem comum, este sim, um tesouro inalienável, da vida em sociedade.

Aparecida Torneros é jornalista, atualmente trabalha na EMOP ( Empresa de Obras Públicas do Estado do Rio de Janeiro), é ex-assessora de imprensa da SERLA, Superintendência de Rios e Lagoas do RJ

quarta-feira, 25 de março de 2009

Lisboa menina e moça...

Tim Maia - Primavera

Mariza - Primavera - Lisbon -live

Primavera em Portugal

Abril chegou com ares florais e pelas ruas era comum sentirmos o perfume misturado dos cravos e rosas ao passarmos sob os balcões a nos convidarem para alguma serenata em louvor aquelas raparigas sonhadoras debruçadas a observar os moços solteiros.

Meus pés me levavam ao encontro das pessoas amigas, nos cafés e nos teatros, tudo parecia ressurgir em energias de luz como se um encanto da primavera inundasse cada mulher ou homem em busca do seu motivo maior, talvez o grande amor ou o melhor dos sentimentos que deviam experimentar.

Lufadas de vento de pouco frio, sacudiram meus cabelos. Ajeitei-os com os dedos, pude escorrer por entre os fios, meu tato acostumado à seda e ao algodão, gostei de perceber a leveza das finas e embranquecidas madeixas, prova cabal da maturidade que me inundava o semblante. Revi meu tempo. Revi o tempo dos amigos e amigas. Foi-me dada a chance de reviver o sentido de um lugar antigo, apesar de novos olhares e novas expectativas.

O homem do meu carinho já me esperava numa das mesas na calçada da rua principal. Tinha no rosto o sorriso mais extasiante para me ofertar a alegria do encontro. Abracei-o com ternura. Sussurrei um elogio ao seu porte galante, senti-me presa ao seu mundo mágico. Nem cogitei em defender-me. Estava ali, de novo, para viver a primavera. Meu coração floriu. Ele me abraçou com firmeza. A emoção nos tomou conta, sabíamos que estava escrito.

A primavera seguiu seu curso. Brindamos naquela e nas muitas noites seguintes ao sentido da existência que nos é dado viver. Em maio, cantarolamos muitos fados nas madrugadas primaveris, estivemos unidos, trocamos afetos.

Nem quisemos pensar que a futura estação traria o veranico de calor e saudade. Saudades combinam com inverno...Saudades no verão, só as que provocadas pelas primaveras tão floridas como aquela em que nos dissemos tudo o que quisemos, sem floreios.

Tivemos uma primavera delicada, porém densa. Provamos da seiva da paixão ao passo que o amor, com famas de traidor, nos prendeu em rede de boa trama.

Depois, foi questão de nos adaptarmos ao adeus, transformá-lo em até breve, providenciar a volta, e , antes da próxima primavera, lá estava eu, novamente, enredada, nos braços dele, em Portugal.

Aparecida Torneros

Violão clássico solo PRELÚDIO Nº 5 DE VILLA LOBOS

Nos meus tempos de violonista...


Fui uma aprendiz de violão clássico. Estudei durante uns dois anos, entre os 16 e 17 anos, treinando diariamente a escala e indo às aulas no Conservatório Brasileiro de Música, duas vezes por semana. Ir pelas ruas, carregando o violão, me deixava com a sensação de ser uma futura violonist. Mas, fui traída pela minha baixa aptidão para o mister, e desisti um dia, provavelmente na certeza de que seguiria sendo grande apreciadora dos virtuoses, entre eles, um brasileiro chamado Darci Villaverde, que conheci numa travessia Rio-Niterói, na barca da cantareira.
Tivemos uma conversa de tocadores de violão, mostramos os calos nos dedos, ele devia ter uns quarenta anos, admirou-se do meu interesse pelo instrumento em versão erudita, numa época em que as bandas de rock e a bossa nova eram moda para a garotada. Nem soube explicar. Mas pude fazê-lo sentir que era só um pequeno sonho, pois por mais que treinasse nunca chegaria a tocar como ele. No fim da viagem, pediu meu endereço, e uns meses depois, revebi dele um cartão postal, de Berlim , tinha se apresentado na Alemanha Oriental, e se lembrou da garota magricela que aprendia a música de violão sofisticado. Nunca mais ouvi falar dele. Mas consegui um disco, muito anterior ao advento do cd-player, com interpretações dele, magníficas e até hoje recordo seu rosto simpático naquela tarde em que o acaso nos fez sentar um ao lado do outro e conversarmos, descobrindo a afinidade momentânea dos dedos calosos pelas cordas de metal, desfiadoras a produzir sustenidos e bemóis que me deixavam doida ao ler as partituras. Mistérios da vida, coisas que vamos juntando no armário das lembranças, pequeninas alegrias proporcionadas pelos deuses conspiradores.
Agora, remexendo gavetas atulhadas de velhos retratos, encontrei um, já comido pelos fungos, que me atrevo a escanear para observar meus sentimentos tão antigos. Ali, na saleta da casa da minha adolescência, está um móvel que continha a televisão, a vitrola, o rádio e o lugar dos long-players. Eu, vestida de azul, sapatos de verniz preto, me posiciono para uma pequena apresentação familiar, na festinha dos meus 17 anos. Há no meu entorno uma aura de promessa e futuro, uma alegria dividida entre inúmeros projetos para os próximos anos. Passada muitas décadas, ainda guardo o velho violão, comigo, presente do meu pai querido. Mas, as canções que um dia cheguei a tocar, em sua maioria, me escaparam da memória, e meus dedos, deixaram os calos para trás, embora a emoção ainda me pegue ouvindo, internamente, o som da minha juventude esperançosa e sonhadora. Bom rever essa foto e me reconhecer feliz, apesar dos tempos difíceis que enfrentávamos, já que a mocidade me brindava com sua inquietação e desafiante corrida ao novo. Hoje, o novo virou passado, e, a menina-moça que a fotografia deixa entrever, já não é tão moça, mas conserva o coração menino que se encanta com a música para sempre...
Aparecida Torneros

Carlos do Carmo - Por morrer uma andorinha

Laura Pausini - Strani Amori

terça-feira, 24 de março de 2009

Minha namorada...

Camané - Lembra-te sempre de mim (ao vivo no Coliseu)

Para homenagear Félix Guerra
com o fado que tanto amamos!

Na calçada da Biblioteca, em Nova York



Na calçada da Biblioteca em Nova York



A tarde era de um domingo, o 12 de outubro de 2008.
Eu caminhara pela grande avenida observando a parada em homenagem à latino-américa, desfile realizado pelos países do continente de origem hispânica.
Era meu terceiro dia em Nova York, o deslumbre natural de quem sabe que reconhece a cidade dos filmes, das lendas, das tragédias e de tantos enredos do mundo moderno e capitalista.
Parei para tomar um capuccino na calçada da Biblioteca principal da metrópole fervilhante. O tempo prometia esfriar depois, o que ocorreu, mas naqulea tarde, ainda o outono se aquecia num misto de calor humano e fantasia da escritora.
Confundi-me com a gente do lugar.
Vittorio fotografou-me, ali estou sentada e pensativa, alscutando o rumor do tempo e o eco das ruas daquela cidade que não dorme, plugada, irradiando novidades , exportando modos de viver, importando gente do mundo inteiro.
Outras emoções me acompanhariam nessa viagem de 11 dias que me emergiram a um mezanino conturbadamente reflexivo. Eleições de presidente, compras, passeios, visita a Washington, tardes inteiras nos Museus de Arte Natural e Metropolitan, a subida ao topo do Rochefeller Center, o passeio pelo Central Park, a parada em frente ao Dakota, prédio que viu Lennon cair assassinado, a loucura da loja Apple, a viagem de barco para ver de perto a estátua da Liberdade, a perplexidade diante dos escombros que agora serão nova torre, no World Trade Center, a ida e volta de Metrô para Astoria Boulevard, as caminhadas pela sétima ou quinta avenida, o sabor dos pressorts, o barulho das vozes de mil códigos, os rostos desconhecidos, as esperas pelos sanduiches, as travessias nos sinais das esquinas, um certo e perdido ar de solidão, talvez a presença dela, no inconsciente coletivo, um paradoxo, milhões que caminham e falam sozinhos, ouvem Ipods, mps 3 ou 4, falam em iphones ou celulares enquanto fazem compras nos mercados, nem chegam a ver quem está ao seu lado, as caras das raças que ali se cruzam, as roupas e culturas dos que ali estão para ganhar dinheiro, os bilhetes dos home lesses, seus pedidos silenciosos, em tabuletas improvisadas, sentados no chão, esperando pela caridade de algum passante que os enxergue. Mas a crise era o assunto do momento, e a campanha Obama esquentava.
Talvez tenha sido no exato instante desta foto, que disparei a refletir sobre o que iria ver e sentir pelos dias subsequentes. Os EUA continuam a ser uma nação exportadora da sua cultura e da sua indústria, fazem disso seu ponto alto e importam os turistas que chegam de todos os lados para ser parte disso, de algum modo, por alguns momentos, num frenesi alucinante.
Pausa para o café tomado na tarde de um domingo novayorquino.
Ainda bem que o Vittorio estava atento, flagrou-me pensando na vida e me levou para casa.
Aparecida Torneros

Gil: andar com fé eu vou que a fé não costuma faiá!